Milagre na Cela 7 : Um amor forte como a morte

Staff Filmes Leave a Comment

Koğuştaki Mucize. Diretor:  Mehmet Ada Öztekin. Aras Bulut Iynemli, Celile Toyon Uysal, Deniz Baysal, İlker Aksum, Mesut Akusta, Nisa Sofiya Aksongur. Turquia 2019. 132 min. Quando chegam  pisando firme produções de países, vamos dizer, não convencionais é preciso estar de olho aberto. Assim foi com libanês  O Insulto uma magnífica apologia do perdão; ou com o finlandês- estoniano O Esgrimista que nos fez vibrar com …

Uma razão para viver: O carinho criativo.

Staff Filmes Leave a Comment

(Breathe) Diretor: Andy Serkis. Andrew Garfield, Claire Foy, Ed Speleers, Miranda Raison, Hugh Bonneville, Dean-Charles Chapman, Roger Ashton-Griffiths, James Wilby, Camilla Rutherford. UK. 2017. 117 min. Pode ser um preconceito, talvez experiência, ou muitas horas de voo; mas confesso que é algo do qual dificilmente consigo prescindir: bastam os primeiros dez minutos de um filme para saber se vale a …

Thornton Wilder: “A Ponte de S. Luís Rei”

Staff Livros Leave a Comment

Thornton Wilder: “A Ponte de S. Luís Rei”. Companhia Editora Nacional. 2002. São Paulo. 95 pgs. (tradução de Monteiro Lobato). A tertúlia literária mensal leva-nos hoje até uma das obras mais conhecidas do escritor americano, que lhe valeu o Prêmio Pullitzer de ficção. Uma obra curta, com uma tradução magistral por conta do nosso Monteiro Lobato que, certamente, faz toda …

José Lasaga Medina & Antonio López Vega: «Ortega y Marañón ante la crisis del liberalismo»

Staff Livros Leave a Comment

José Lasaga Medina & Antonio López Vega: “Ortega y Marañón ante la crisis del liberalismo”. Ediciones Cinca. Madrid. 2017. 250 pgs.  Uma viagem com rápida passagem por Madrid, e uma cerveja com um velho amigo, rendem-me este novo livro da sua autoria. As figuras de Ortega y Gasset y de Gregorio Marañon, que me são tão caras e de quem muito …

Frantz: Uma experiência estética de amor e perdão

Staff Filmes Leave a Comment

Frantz. Diretor: François Ozon. Paula Beer, Pierre Niney, Ernst Stötzner, Marie Gruber, Cyrielle Clair, Johann von Bülow, Anton von Lucke. 113 minutos. Alemanha- França.2016. Bastam as primeiras cenas para entender que estamos diante de um grande filme. Dificilmente me engano -e penso que isso acontece com todos os que amam o cinema: o diagnóstico da qualidade é questão de minutos. É possível que …

Graeme Simsion: «O Projeto Rosie»

Staff Livros Leave a Comment

Graeme Simsion: «O Projeto Rosie». Record. Rio de Janeiro, 2013. 319 pgs. O livro estava entre as minhas pendências. Compõem-se estas de anotações a modo de lista, de comentários que vamos lendo aqui e acolá, em jornais e críticas de literatura especializada. Lembro até de ter recebido um e-mail circular de um colega médico americano elogiando o livro. A tertúlia …

Dominique Lapierre: «Muito além do amor»

Staff Livros Leave a Comment

Dominique Lapierre: “Muito além do amor”. Salamandra. São Paulo. 1991. 376 pgs. A tertúlia literária mensal brinda-me oportunidades sonhadas, e quase nunca realizadas por falta de tempo: reler os livros que me impactaram anos atrás. E fazê-lo de modo enriquecedor: poder compartilhar a leitura –não na impessoalidade das redes sociais- mas ao vivo, em animada conversa, pipocar de lembranças e …

Fabrice Hadjadj: «La Profundidad de los Sexos. Por uma mística de la carne»

Staff Livros Leave a Comment

Fabrice Hadjad: “La Profundidad de los Sexos. Por uma mística de la carne”. Nuevo Início. 2010. Granada. 302 pgs. Um amigo, que também se delicia com os livros deste filósofo desconcertante, emprestou-me este. Desconcertante, porque sua escrita é uma verdadeira gangorra que oscila do Marques de Sade ou Madame Bovary até os Padres da Igreja (S. Clemente de Alexandria, S. Basílio …

Charles Dickens: «Um Conto de Duas Cidades»

Staff Livros Leave a Comment

Charles Dickens: “Um Conto de Duas Cidades”. Nova Cultural. São Paulo. 2002. 510 pgs.      Uma nova tertúlia literária, brinda-me a oportunidade de reler o clássico de Dickens. Lembrava das duas cidades –Londres e Paris- , da revolução francesa, e das mulheres que tricotavam enquanto assistiam aos trabalhos do novo invento, a guilhotina. Como um divertimento, como aquela “lepra da irrealidade …