O Ano mais violento: Liderança fecunda na serenidade

Staff Filmes Leave a Comment

(A Most Violent Year). USA, 2014. Diretor: J. C. Chandor. Oscar Isaac, Jessica Chastain, David Oyelowo, Alessandro Nivola. 125 min. Dispunha-me a assistir este filme relaxadamente, sem o compromisso de buscar mensagens, ou entrever desdobramentos. Algum comentário tinha-me chegado às mãos: um bom roteiro, com elementos colocados a modo de quebra-cabeças, orquestrados por J.C. Chandor, o mesmo diretor de Margin …

Michel Barlow: “Diario de un profesor novato”

Staff Livros 2 Comments

Michel Barlow: “Diario de un profesor novato”. Ed. Sígueme. Salamanca. 1984. 160 pgs.      Foi o meu irmão Pedro, um apaixonado pela educação, quem me recomendou este livro. Aliás, não foi uma recomendação, mas um par de folhas manuscritas que me enviou por correio com umas citações deste autor;  li, gostei, e guardei no meu fichário. Muitos anos depois, revisando anotações …

O Estudante: Liderança de Ideais, o Exemplo que Educa.

Staff Filmes Leave a Comment

(El Estudiante). México, 2009. Diretor: Roberto Girault. Jorge Lavat, Norma Lazareno, Cristina Obregón, Pablo Cruz Guerrero, Siouzana Melikian. 95 min. Catálogo IMDB: http://www.imdb.com/title/tt1261393/        Assisti a este filme encantador nas férias do último verão. Gostei demais. Mas fui enrolando para escrever, passando na frente outras pendências. Não foi preguiça nem falta de ideias; digamos que a oportunidade não se apresentava conveniente. …

Luiz V. Décourt: “A Didática Humanista do Professor”

Staff Livros Leave a Comment

Luiz V. Décourt: “A Didática Humanista do Professor”. Ed. Atheneu. 2005.São Paulo. 192 pgs.      Uma bela coleção de pronunciamentos, conferências e escritos do Professor Décourt, a quem tive o prazer de conhecer pessoalmente. Corria o ano 1980, e eu tinha iniciado o meu internato na enfermaria da Propedêutica – Clínica Médica, no sexto andar do Hospital das Clínicas. Lembro-me de …

A Sabedoria da Maturidade: Quando os atores envelhecem

Staff Filmes Leave a Comment

     Com os atores acontece o mesmo que com o vinho: ficam melhores com o passar do tempo. É bem possível que não sejam apenas eles, mas também nós, espectadores, os que mudamos o nosso olhar, aprendemos a gostar do gesto ponderado, da sabedoria que a maturidade destila. Borges dizia que mesmo cego, continuava a comprar livros, a rodear-se da amável …