Maria Dueñas: “A Melhor História está por vir”

Staff Livros Leave a Comment

Maria Dueñas: “A Melhor História está por vir”. Planeta do Brasil. 2012. 352 pgs.      Li de uma tacada o original que leva por título “Misión Olvido”. Sobre a capa, uma faixa promocional que aponta: “La mejor historia está por vivir”. Outro Best seller da autora de “O tempo entre costuras”. Pensei que não tinha sido traduzido, pois o livro é …

Ismail Kadaré: “O Acidente”

Staff Livros Leave a Comment

Ismail Kadaré: “O Acidente”. Companhia das Letras. São Paulo. 2008. 229 pgs.      Tinha ouvido falar deste autor, queria ler uma obra sua. Caiu esta em minhas mãos e levei um tombo. Como o acidente que é descrito no primeiro capitulo. Algo raro, um taxi a caminho do aeroporto de Viena, que se acidenta, e os dois ocupantes –um homem e …

Mercedes Salisachs: “Entre la Sombra y la Luz”

Staff Livros Leave a Comment

Mercedes Salisachs: “Entre la Sombra y la Luz” Ediciones B. Barcelona 2007. 404 pgs.      Assaltava-me uma dúvida. Por isso, antes de rascunhar estas linhas, revisei os comentários que fui escrevendo nos anos passados, sobre vários livros de Mercedes Salisachs. Minha suspeita confirmou-se: todos redigidos em espanhol. Será possível? Chequei na Internet e comprovei que não consta nenhuma tradução das suas obras …

Willa Cather: “Minha Ántonia”

Staff Livros 1 Comment

Willa Cather: “Minha Ántonia”. Codex. São Paulo. 2003. 327 pgs.      Este livro estava na minha lista de pendências há algum tempo. Mas outros sempre passavam à frente. Finalmente, a recomendação de um amigo combinado com alguma viagem, foi o empurrão para colocá-lo na pole position.  Não me lembro da viagem, nem do motivo; ultimamente tenho tirado o atraso das leituras …

Oscar Wilde: “O Retrato de Dorian Gray”

Staff Livros Leave a Comment

Oscar Wilde: “O Retrato de Dorian Gray”. Clássicos Abril. São Paulo. 1981. 283 pgs.      Os fóruns de humanismo em que ando envolvido têm sido extremamente úteis. Não posso afirmar isso por conta dos outros assistentes – cabe a cada um apreciar o valor agregado, como se diz hoje-, mas é justo fazê-lo em relação a mim mesmo. Embora na condição …

Javier Moro: “El Imperio eres tú”

Staff Livros 2 Comments

Javier Moro: “El Imperio eres tú”. Planeta. Barcelona (2011). 560 pgs.      Quando chegou ao meu conhecimento que o Prêmio Planeta de 2011 tinha sido concedido a um romance que relatava a instalação do Império Brasileiro, a curiosidade catalisou o já habitual interesse com este galardão. Adquiri o livro na primeira oportunidade e chegou às minhas mãos, não sem antes pagar o …

Muriel Spark: “A Primavera da Srta. Jean Brodie”

Staff Livros Leave a Comment

Muriel Spark: “A Primavera da Srta. Jean Brodie”. Rocco. Rio de Janeiro, 1992. 156 pgs.      Muriel Spark, escocesa de Edimburgo, é considerada uma das escritoras inglesas mais relevantes do século passado. A Primavera da Srta. Jean Brodie é, talvez, sua obra mais conhecida, até porque foi levada ao cinema.      Jean Brodie é uma professora peculiar que leciona numa escola de …

Ally Carter: “Ladrões de Elite”

Staff Livros Leave a Comment

Ally Carter: “Ladrões de Elite” (Heist Society). Arqueiro. São Paulo. 2010. 231 pgs. Tomei conhecimento deste livro ao me deparar com uma breve crítica sobre a autora, especializada em escrever romances de adolescentes precoces e de garotas espiãs disfarçadas de colegiais de classe social abastada. Não estou na idade de ler estas coisas, mas quis dar uma trégua a leituras …

Ivan Turgueniev: “Pais e Filhos”. Abril. São Paulo, 1971

Staff Livros Leave a Comment

Contemporâneo de Dostoievsky e de Tolstoi, Ivan Turguéniev é considerado um dos grandes romancistas russos. E o que me surpreende dos russos é sempre o mesmo. Os romances se iniciam com descrições do ambiente, do quadro de costumes imbuídos da moda afrancesada na Rússia Imperial. Tudo muito formal, muito superficial, onde as pessoas não têm nada que fazer –os nobres, …

Kazuo Ishiguro. “Não me abandone jamais” Companhia das Letras. São Paulo (2005). 343pgs.

Staff Livros 1 Comment

Romance peculiar, com um suspense “incômodo” que apenas se esclarece no final do livro. As pessoas funcionam corretamente, mas são como de plástico, sem história de vida, sem raízes, sem família. Algo não se entende. E chega mesmo a incomodar as passagens onde se mostra que funcionam sem nenhuma categoria moral, apenas com uma correção formal muito questionável. No fim, …