Almudena Grandes. “Los pacientes del doctor García”.

Staff Sin categorizar Leave a Comment

Almudena Grandes. “Los pacientes del doctor García”. Tusquets. Barcelona. 2017. 732 pgs.

No soy muy amigo de best-sellers y de libros de moda;  tengo una cierta prevención.  El que se venda mucho, no me parece garantía de calidad; nunca lo ha sido, y menos hoy que se vende …..de todo, y para todos los gustos. Por algún motivo que no recuerdo, quizá una ocasión o un combo de vendas, coloqué en la bolsa este libro que estaba entre los destaques, antes de pasar por caja en la Casa del Libro. Lo abro algunos meses después, cuando llega el momento. Porque los libros, como decía Borges, tienen sus momentos, que mucho dependen de los momentos del lector. Como ficción policiaca está bien, te engancha, y lo sigues como seguirías una película de acción, donde para mayor inri el protagonista parece ser un médico.

..Quizá fue este el factor decisivo para colocarlo en la bolsa de compras.

Las descripciones médicas están muy bien relatadas, se palpa el asunto, la medicina de la trinchera, nunca mejor dicho, durante la guerra civil. “Un médico que a mí solía recetarme paciencia y a ellos tranquilidad”. O al atender un herido, cuando el Dr. García no encuentra “la forma de frenar una hemorragia de gratitud”. La descripción de una enfermedad neurológica que empeora con la ansiedad: “Sabía que las hormigas (el hormigueo en el brazo, las parestesias que decimos los médicos) no le visitarían de madrugada porque tenía un proyecto, un plan, una misión a cumplir. La guerra le producía el mismo efecto. En plena ofensiva comiendo poco y de pie, viviendo a la intemperie, se olvidaba de todo, de sus padres, de sus hermanos….Por eso la paz le sentaba tan mal”. Y el realismo de quien carece de recursos: “La falta de suministros que padecíamos desde hacía meses me había convertido en un experto torturador. No contaba con otra anestesia que el dolor que pudiera procurar a mis pacientes.”

Read More

José Jiménez Lozano. «Maestro Huidobro»

Staff Sin categorizar Leave a Comment

José Jiménez Lozano. «Maestro Huidobro». Anthropos. Barcelona. 1999. 121 pgs.

Tropiezo y me regodeo con otra pequeña obra del escritor abulense que es, como todas las suyas, encantadora, porque tiene sabor familiar. Vas entrando poco a poco, como si te hubieras olvidado de lo entrañable, de lo que te rodeaba cuando eras un crío, del sabor de los picatostes con chocolate. ¿Qué cuenta Jiménez Lozano? Cuenta todo, y no cuenta nada, porque en el modo de contar -como los abuelos- es donde está el nervio de su prosa que te va envolviendo, como los dulces de la abuela. ¡Que no! – pareces repetirte- , que no es una novela, que es un álbum de familia.

Una prosa fácil, directa, creativa y que divierte, va tejiendo los recuerdos del Maestro Huidobro. “Sabía el maestro cuando estaba ya esperando la mañana mucho antes que los gallos; y entonces él hacía un ‘quiquiriquí’, para alertarlos, si se habían descuidado. No los tenía por muy buenos vigilantes de la noche, sino por alborotadores o publicadores de noticias”. Un personaje que vive de su propia historia: “El árbol genealógico pintado en la pared de la casa que daba al huerto, donde en los días de mucha pena, Maestro Huidobro se arrimaba a aquel árbol y se sentía consolado, aunque sabía muchas cosas horrorosas de esos sus antepasados, pero también cosas risueñas”. No sé si Jiménez Lozano escribe con prosa poética, pero algo se le asemeja. “Un pato todo blanco, que andaba como si le hicieran daño unos zapatos nuevos que llevara, pero de repente se paraba, estiraba el cuello que se hacía como una ese muy grande, batía las alas y echaba un vuelo”.

La descripción de personajes es siempre primorosa, arte que el escritor domina. Nos habla del “capitán de barco que venía de Islandia. Fumaba una pipa y hablaba diez lenguas, aunque era un poco tartamudo por lo menos en lengua castellana”. De las dos hermanas gemelas “Clemencia y Constancia Acuña. Quizá tuvieran treinta, cuarenta, cincuenta, sesenta, setenta u ochenta años cumplidos; nadie lo sabía, y no había modo ni manera de saberlo. Eran como colegialas, y también como muy graves y distinguidas señoras. Hacían gimnasia sueca, y fumaban en largas boquillas de plata. Algunos días salían en bicicleta al campo en traje de deporte, y otras llevaban elegantísimos vestidos como si estuvieran en París o en Roma”. Y de otras figuras, filtradas por la mirada de las gemelas: “Mosén Pascual era para las señoritas un santo, pero un troglodita teológico, y el alcalde era un buen hombre, pero un zascandil progresista y demagogo, que no llevaba sombrero ni corbata, y así no podía encarnar la autoridad debidamente”.

El Maestro Huidobro, genio y figura, es la amable disculpa que nuestro escritor encuentra para hablarnos de lo que lleva en el alma, del sabor castizo de los recuerdos, de la importancia de los detalles. Porque, al fin, ¿quién es este Maestro? Un de los poquísimos diálogos nos da la pista:

  • ¿Y usted?  -preguntó la dama al maestro.
  • Yo, señora, me ocupo de mis pensamientos.
  • Ajá, es usted rico.
  • No, no. Tengo unas tierrecillas y una pensioncilla.
  • La vida es muy hermosa -añadió luego la dama.

La vida es hermosa para Jiménez Lozano, y nos la alegra a todos los que continuamos leyéndole con espirito joven, deleitándonos con su prosa cercana, amable, familiar.

Amor Towles: “Um Cavalheiro em Moscou”.

Staff Filmes, Livros Leave a Comment


Amor Towles: “Um Cavalheiro em Moscou”. Ed. Intrínseca. Rio de Janeiro 2018. 460 págs.

Inauguramos a Tertúlia Literária deste ano 2020, com um livro fascinante. Elegante, detalhista;  e no centro da magnifica narrativa,  o Conde Aleksandr Ilitch Rostov, um aristocrata dos felizes anos 20 do século passado, se apresentando nestes outros anos 20, que teremos de ver o quão felizes podem ser .  O argumento -que sempre evitamos contar nestes comentários- é um simples detalhe, um prefácio para tudo o que se desenvolve depois, em variações que poderiam ter como tónica dominante a frase estampada a modo de subtítulo provocativo: “Se um homem não dominar suas circunstâncias, ele é dominado por elas”. 

O Conde Rostov tem 23 anos em 1922, quando o expurgo da nobreza iniciado pelos bolcheviques da revolução de Outubro de 1918, continua implacável. Há quem pense que deve ser eliminado no paredão de fuzilamento. Mas….. “alguns altos escalões do Partido  o têm entre os heróis pré-revolucionários da causa. Por conseguinte, é opinião deste conselho que você deve retornar ao hotel de que tanto gosta. Mas não se engane: se voltar a pôr os pés fora do Metropol, será baleado”. Essa é a largada para este romance singular, e o contexto das circunstancias que o Conde terá de dominar ao longo das próximas três décadas……

Read More

Oscar 2020: Lições para a Educação Médica

Staff Filmes 2 Comments

Chega no meu e-mail um pedido da assessoria de imprensa da SOBRAMFA para “escrever alguma coisa sobre o Oscar 2020 e as lições que os filmes indicados trazem para a Educação Médica”. O pedido não me surpreende, mas é um desafio e tanto. A culpa é toda minha, por insistir nos últimos 20 anos em que o Cinema traz recados importantes para a formação do médico.

“Mas  -perguntam alguns-  o que você ensina exatamente com os filmes? São filmes médicos? De doenças, epidemias, biografias de cientistas famosos?”. Essa pergunta também faz parte da minha rotina docente, nestas duas décadas. “Não são filmes médicos. As pessoas aprendem muito bem sobre o progresso da medicina nas faculdades e cursos de pós graduação. Nada a acrescentar sobre o conteúdo impecável. O meu foco é apenas lembrar de um detalhe que, com frequência, passa desapercebido no meio desse turbilhão cientifico: a figura do paciente, o ser humano perdido no meio da doença….e dos próprios médicos”. E, quase sempre, acrescento: “Minha irmã que é professora de filosofia, sempre me diz que o que pretendo ensinar é algo que os médicos já faziam 80 anos atrás….e acabaram esquecendo”.

Read More

Michelle Dean: “Afiadas”

Staff Livros Leave a Comment

Michelle Dean: “Afiadas”. Todavia. São Paulo. 2018. 413 pgs.

Quando li o comentário numa página literária, pensei tratar-se de um estudo elaborado e profundo sobre estas mulheres escritoras e, sem dúvida, de reconhecida intelectualidade. Enganei-me. O livro é um texto corrido de  caráter jornalístico: comentam-se fatos, polêmicas, variedades e amenidades, mas não segue uma linha de estudo com certa densidade.  Percebe-se que a autora conhece bem as escritoras, mas não deixa entrever a sua opinião pessoal, ou a tese que costura as personagens descritas. Não é um pois um ensaio, mas uma reportagem. Mais do que um filme com roteiro, são uma série de fotos alinhavadas com trilha sonora afiada: o epíteto que dá nome ao livro.

A bibliografia usada é ampla, o que confere seriedade ao trabalho que, mesmo assim, prima pelo anedótico. Nas escritoras que por outros motivos conheço bem -o caso de Hannah Arendt – é notável a abordagem superficial que faz da pensadora alemã. Talvez o estilo de Dean, por querer imitar as retratadas,  é também algo afiado, embora não sabemos exatamente o que quer cortar….embora nos ofereça alguma pista neste parágrafo: “Não significa que estas mulheres tenham estado sempre certas. Mas elas estavam ali. E tal é o ponto principal deste livro. Sua obra, por si só, constitui uma razão para lhes agradecer por sua existência”.

Read More

Jean-Noel Fabiani: «A Fabulosa História do Hospital. Da Idade Média aos dias de hoje»

Staff Livros Leave a Comment

Jean-Noel Fabiani: “A Fabulosa  História do Hospital. Da Idade Média aos dias de hoje”. L&PM Editores. Porto Alegre. 2019. 207 pgs.

Image result for Jean-Noel Fabiani: “A Fabulosa História do Hospital. Da Idade Média aos dias de hoje”

Ganhei este livro de presente, de uma família querida que há anos confia a mim os seus cuidados médicos. Desconheço se eles leram o livro, embora  imagino que não, porque fora o aspecto cultural,  pouco acrescenta, ou melhor, pouco significa para quem não é do ramo. Mas quero entender o recado, talvez o reconhecimento de quem, de algum modo, quer colaborar com esta construção humanista da medicina através de um recurso clássico, que infelizmente tem caído no esquecimento: a história de Medicina.

O homem -no dizer de Ortega- nasce sobre uma história, aproveita-se dos conhecimentos dos seus antecessores, e por isso consegue progredir e salvar as tais circunstâncias que lhe acompanham, para salvar-se ele mesmo. Quer dizer, saber adaptar-se ao presente dirigindo um olhar prudente para o passado. Os animais -o tigre, diz em concreto o filósofo espanhol- nasce com o taxímetro zerado; é o mesmo tigre de milhares de anos atrás, não decola sobre um patamar histórico e por isso sua experiencia vital começa e acaba com ele mesmo. O ensino da História da Medicina está praticamente extinto nas nossas faculdades de hoje, com o que corremos o risco de formar magníficos tigres tecnológicos…..aos que confiamos os nossos cuidados. Uma loucura educativa!

Read More

Downton Abbey: A elegante cordialidade que nos aproxima dos semelhantes

Staff Serie Leave a Comment

Criador: Julian Fellowes. Hugh Bonneville, Laura Carmichael, Jim Carter, Brendan Coyle, Michelle Dockery, Joanne Froggatt, Robert James-Collier, Phyllis Logan, Elizabeth McGovern, Sophie McShera, Lesley NicolMaggie Smith, Penelope Wilton, Kevin Doyle, Allen Leech, David Robb, Siobhan Finneran, Dan Stevens, Raquel Cassidy, Lily James, Jessica Brown Findlay, Samantha Bond, Matt Milne, Ed Speleers, Amy Nuttall, Jeremy Swift, Douglas Reith

Não me lembro quem foi -na verdade, parece-me recordar que foram várias pessoas- que me recomendou assistir esta série. “Muito boa, você vai gostar demais”. Como sempre, a sugestão veio nua de guarnição: ninguém me disse porque eu iria gostar, nenhuma dica de onde colocar o zoom da apreciação. Guardei a indicação, e coloquei-a na lista de espera, sempre crescente, porque o tempo é desproporcional às pendências.

Passaram-se meses, até anos pelo que pude comprovar nas datas da produção.  Enfrentei os primeiros capítulos, fui assistindo em pequenas doses, degustando as histórias. E logo percebi que a série desmembrada em várias temporadas, poderia nunca acabar. Porque afinal, o que lá se relata e que tem como pano de fundo o quotidiano de um lar da aristocracia britânica, é a vida mesma, o viver diário de cada uma das personagens que enriquece esta produção cuidadíssima, de imenso bom gosto.

Read More

Alessandro D’Avenia: “O que o inferno não é».

Staff Livros Leave a Comment

Alessandro D’Avenia: “O que o inferno não é”. Ed Bertrand Brasil. Rio de Janeiro. 2017. 382 págs.

A tertúlia literária é o resultado desta viagem a Sicília através das páginas de um livro, e da mão do seu autor, natural de Palermo. Por isso, nos fala da máfia, das injustiças, do crime e da vingança numa cidade “em que o caos é apenas um tipo diferente de ordem:  Neste mundo, há quem nasce presa e quem nasce caçador. É a natureza que decide onde você tem de se colocar, o resto é coerência”.

Mas fala-nos, sobretudo, de que na vida o importante são as opções e as escolhas que cada um faz. É, pois, natural, que o escritor se auto represente no protagonista, Frederico, um jovem rapaz que percebe uma inquietude diferente na alma.  “Por que todo aquele nascer todas as manhãs? Não tem resposta o rapaz para o qual as pétalas caídas de uma rosa doem mais do que os espinhos e que todas as manhas se olha no espelho como um náufrago. O rapaz tem 17 anos e a vida para inventar. 17 não promete boa ventura, até mesmo os atores são feios e não acreditam que vão ficar bonitos. O sangue é quente e, quando aperta o coração com força, obriga-nos a decidir o que fazer com ele”

Frederico -ou Alessandro, porque parece-me que são a mesma personagem, o livro se revela inevitavelmente auto biográfico- é sensível, artista, poeta. “Graças à minha paixão por Dostoievski, ganhei o apelido de idiota: meus amigos passaram a me chamar assim no dia em que falei do livro com o entusiasmo de um cdf durante a prova oral de italiano, porque nele está escrito que a beleza salva o mundo”. Sua defesa da literatura e dos clássicos é contundente, o que corresponde à formação do próprio autor. Eis um diálogo com um companheiro da escola:

Read More

DUMBO- Celebrando a diversidade e tirando o melhor das pessoas.

Staff Filmes Leave a Comment

Dumbo. Diretor: Tim Burton. Colin Farrell, Michael Keaton, Danny DeVito, Eva Green, Alan Arkin, Nico Parker, Finley Hobbins, Deobia Oparei. 111 min. USA, 2019.

Como já comentei neste espaço, descobri em mim mesmo uma peculiar sintonia com Tim Burton. Demoraram alguns anos, salpicados de surpresas por vezes bizarras, mas -é preciso reconhecer- também de momentos inesquecíveis: As histórias do Peixe Grande, com um Albert Finney em estado de graça; o visual pictórico sedutor de Big Eyes, e finalmente O Lar das Crianças Peculiares ensinaram-me a olhar para este diretor singular com especial respeito. Burton chega agora com um filme que, conforme li em algum lugar, sempre quis fazer: Dumbo. Parece que também ele, como o elefante voador, sente-se de algum modo “carta fora do baralho”.

O tema é conhecido graças à história que Disney contou-nos há muitas décadas. Naquela época, as crianças chegávamos facilmente às lágrimas vendo as desventuras do pequeno elefante rejeitado, e saíamos do cinema com um impagável bom sabor de boca, vendo ele remontar às alturas, triunfando em final feliz. Mas, nem as crianças -nem os adultos pelo que me recordo- tiravam outras consequências dessa amável fábula, vertida em desenhos animados.

No contexto burtoniano, a história reveste-se de recados profundos, de alto impacto. Não são mais desenhos, mas pessoas reais,  um elenco escolhido a dedo, atores que se encaixam no papel sob medida. Desde o dono do circo (Danny DeVito) até o malvado (Michael Keaton), passando pela trapezista recolhida nas ruas de Paris que é uma garota de coração doce (Eva Green, quem diria). E Colin Farrell, herói e aleijado da primeira guerra, pai das crianças que, como Dumbo, também perderam a mãe. E toda uma trupe de sonhadores sem rumo, gente díspar, aberrações circenses, para fazer a corte ao elefante que, turbinado por efeitos especiais, não deixa em nenhum momento de parecer real. É o olhar de Dumbo, cuidado e magnificamente desenhado, o que o torna real. Como acontecia com King Kong -os olhos do gorila que injetam humanidade no primata!- o filme fetiche daquele diretor (Peter Jackson) que desde os sete anos sonhou com refazer a versão própria dos amores de King Kong.

Read More

Svetlana Aleksiévitch.  “Vozes de  Tchernóbil. A história oral do desastre nuclear”.

Staff Livros Leave a Comment

Svetlana Aleksiévitch.  “Vozes de  Tchernóbil. A história oral do desastre nuclear”. Companhia das Letras. São Paulo. 2016. 384 págs.

A narrativa poderosa e impactante da escritora prêmio Nobel da Bielorrússia, protagoniza a leitura mensal e as reflexões da Tertúlia Literária . Escreve o livro em 2005, 20 anos depois da catástrofe, após recolher testemunhos multivariados dos envolvidos no desastre nuclear, que alinhava de modo magnífico -um exemplo notável de história oral- dando voz aos que não têm, imprimindo relevo e colorido humano sobre um evento cinza. Svetlana é de fato uma escritora que humaniza a história,  e nos faz chegar até a alma das personagens.

Assim descreve seu trabalho de garimpo recolhido nesta obra. “Passaram-se mais de 20 anos da catástrofe, mas até hoje persegue-me a mesma pergunta: do que tenho de dar testemunho? Do passado, ou do futuro? É tão fácil cair na banalidade, na banalidade do horror”.

E explica que o foco são, como sempre nas suas obras, as pessoas e não apenas os fatos: “Este livro não trata de Tchernóbil, mas do mundo de Tchernóbil. Sobre o tema escreveram-se milhares de páginas. Eu dedico-me à história omitida, às pegadas do nosso passo pela terra e pelo tempo. Escrevo recolhendo o quotidiano dos sentimentos, das palavras, da vida diária da alma. A vida quotidiana de gente corrente. Aqui tudo é extraordinário: as pessoas e as circunstâncias elevaram esse povo a uma nova condição. Tchernóbil para eles não é uma metáfora, mas sua casa. O nome do meu pais, um pequeno território perdido na Europa, do qual o mundo nunca tinha ouvido falar, começou a ressoar em todas as línguas, converteu-se no laboratório diabólico de Tchernóbil, e nós, os bielorrussos, nos convertemos no povo de Tchernóbil. Escrevi durante muitos anos este livro. Quase vinte. Encontrei-me com trabalhadores, científicos, médicos, soldados, evacuados, residentes ilegais em zonas proibidas. Com as pessoas para as que Tchernóbil representa o principal conteúdo da suas vidas. Reflexionávamos juntos, tinham pressa, temiam não chegar a tempo, e ainda não sabiam que o preço do seu testemunho era a vida”.

Mas os fatos e os números não estão ausentes: “Antes de Tchernóbil por cada 100 mil habitantes de Bielorrússia se produziam cerca de 82 doenças oncológicas. Hoje chegam a 6 mil. Quer dizer, multiplicaram-se por 74” . Embora o que de fato a seduz são as personagens, seus entrevistados: “Tropecei com muita gente boa: uma auxiliar de idade foi me preparando: algumas doenças não se curam. Tens de sentar e acariciar a mão. As mucosas caiam em capas. Chagas que foram crescendo. Mas tudo nele era tão meu, tão querido”.

Read More