Mary Ann Shaffer & Annie Barrows “A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata”

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Mary Ann Shaffer & Annie Barrows “A Sociedade Literária e a Torta de Casca de Batata”. Rocco. 2009. Rio de Janeiro, 303 pgs. (The Guernsey Literary and potato peel pie society). Deparei-me com uma crítica do filme do mesmo título, assisti à fita  e comentei com um amigo, grande leitor. Disse-me: “melhor ler o livro, original, inspirador”. Um par de dias …

Theodore Dalrymple: “Em defesa do preconceito. A necessidade de se ter ideias preconcebidas”

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Theodore Dalrymple: “Em defesa do preconceito. A necessidade de se ter ideias preconcebidas”. É Realizações. São Paulo. 2015. 141 págs..    Aventuro-me novamente na leitura pausada de um livro de Dalrymple, sabendo de ante mão o que vou encontrar: a clareza do óbvio, impacto que gera reflexão. Como bem aponta o prefácio (do Reinaldo de Azevedo, o que também não …

Luís Henrique Pellanda: “Detetive à Deriva”

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Luís Henrique Pellanda: “Detetive à Deriva”. Arquipélago Editorial. Porto Alegre. 2016. 223 págs..   Sempre é um desafio ensaiar um resumo de um livro de crônicas. Falta o fio condutor, o argumento sobre o qual podemos ir tecendo nossas filigranas reflexivas. Talvez por isso resisto aos livros de crônicas, não lido bem com colcha de retalhos. Mas algumas vezes, como …

Alexandre Dianine-Havard “Perfil del líder”

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Alexandre Dianine-Havard “Perfil del líder”. Palabra. Madrid (2010). 204 págs. O subtítulo do livro dá uma pista de que tipo de liderança se pretende falar: “em busca de uma liderança virtuosa”. E com este prelúdio, e fácil adentrar-se na leitura deste livro simples porem denso, onde os recados vão gotejando pouco a pouco, solicitando do leitor pausa para meditação. Mais do …

Antoine de Saint- Exupéry: “Terre des Hommes”

Gabriel Brandão Livros 1 Comment

Antoine de Saint- Exupéry: “Terre des Hommes”. Le livre de Poche. Paris (1965). 243 pgs.  Tinha lido esta obra de Saint Exupéry bastantes anos atrás. Desta vez, trazê-la ao cenário da tertúlia literária, teve uma dupla intenção. A mais evidente, servir de pauta para as nossas reflexões conjuntas. A outra, pessoal, desenferrujar o meu francês, pois viajava para uma atividade …

Michael J. Sandel: “Justiça. O que é fazer a coisa certa”. Ed. Civilização Brasileira

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Michael J. Sandel: “Justiça. O que é fazer a coisa certa”. Ed. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro 2012. 349 pgs.  Comprei este livro há algum tempo, por sugestão de um amigo. Passou a esperar sua vez na prateleira do meu escritório. Mas numa viagem recente passando por Espanha, minha irmã -que como professora de filosofia está sempre ligada no que …

Susanna Tamaro: La Tigresa y el acróbata

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Susanna Tamaro: La Tigresa y el acróbata. Seix Barral. Barcelona (2017). 222 págs.  O Tigre e o Acrobata. Editorial Presença. Queluz de Baixo. (Portugal) 2017. 144 pgs. Volta Susanna Tamaro com um livro provocador. Como sempre. Ela diz tratar-se de uma fábula para adultos; aliás, não creio que seja ela porque não costuma categorizar seus livros. Escreve, sem mais, do fundo do coração. …

Fabrice Hadjadj: ¿Que es una família?

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

La transcendência em paños menores ( y otras consideraciones ultrasexistas). Nuevo Inicio. Granada. 2015. 210 pgs.   Tinha anotada esta referência há algum tempo, e finalmente encontrei o livro numa viagem passando por Espanha. Leio a versão em castelhano, comento-a em português com a quase certeza de que dificilmente será traduzido ao nosso idioma. Não porque careça de interesse, mas porque …

Alice Munro: “Felicidade Demais”.

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Alice Munro: “Felicidade Demais”. Companhia das Letras. São Paulo. 2010. 341 pgs. Desta vez a partitura da nossa tertúlia literária foi uma coletânea de contos de uma escritora canadense, que ganha o prêmio Nobel (2013) com 82 anos. Esse contexto já nos oferece motivo para reflexão: a data de validade das pessoas não é aquela imposta pelo mundo corporativo, quando …