Roger Scruton: “Bebo, logo existo”.

Pablo González Blasco Livros 7 Comments

Roger Scruton: “Bebo, logo existo”. Octavo. São Paulo 2011. 299 págs. Faz alguns meses ganhei este livro de um amigo e colega, médico culto, apreciador do vinho, predicados que não raramente caminham juntos como podemos comprovar passeando pelas páginas que o autor salpica dessa substância que ele diz ser “ provavelmente tão antiga quanto a civilização; eu prefiro dizer que …

Sándor Márai: “ As Brasas”.

Pablo González Blasco Livros 1 Comment

Sándor Márai: “ As Brasas”. Companhia das Letras. São Paulo. 1999. 164 págs. Escalamos esta obra de Sándor Márai para a nossa Tertúlia Literária. Já comentei neste espaço que fiz um “aquecimento” com a prosa do escritor húngaro, lendo outra obra que merece um comentário aparte. O tal do aquecimento resultou numa corrida de fundo…que me deixou quase sem fôlego, …

Joseph Pearce: “Escritores Conversos”. Palabra. Madrid. 2009. 571 págs.

Pablo González Blasco Livros 2 Comments

Joseph Pearce: “Escritores Conversos”. Palabra. Madrid. 2009. 571 págs. Lembro que foi um amigo -aliás, um amigo que a minha família me apresentou- quem me falou de Joseph Pierce por primeira vez. O amigo em questão tinha estudado filologia inglesa e, entre as suas muitas atividades profissionais e uma família numerosa, somava aos projetos educacionais que conduzia a sempre desafiante …

Javier Moro: “O Sári Vermelho”.

Pablo González Blasco Livros 2 Comments

Javier Moro: “O Sári Vermelho”. Planeta. São Paulo 2009. 559 págs. Leituras na Pandemia- 5 A prosa jornalística de Javier Moro já tinha-me  conquistado quando li O Império é Você, o relato da construção do nosso Império Brasileiro, e as andanças de D. Pedro I, que lhe rendeu o Prêmio Planeta, um dos mais destacados galardões literários na Espanha. Na época,  …

Paula Byrne: “A verdadeira Jane Austen.

Pablo González Blasco Livros Leave a Comment

Paula Byrne: “A verdadeira Jane Austen. Uma biografia íntima”. L&PM. Porto Alegre. 2018. 439 págs. Ganhei este livro a título de presente de Natal, e ficou esperando a sua vez na estante. Chegou-lhe a hora mais de um ano depois, e logo de cara percebi que não é uma biografia -como afirma a autora-  mas uma tese doutoral, pelo conhecimento …

Michael Ende: Momo e o Senhor do Tempo. Martins Fontes.

Pablo González Blasco Livros 4 Comments

Michael Ende: Momo e o Senhor do Tempo. Martins Fontes. São Paulo. 2002. 268 págs. Leituras na Pandemia – 4 Li esta fábula de Michael Ende há muitos anos, e retomei agora por conta da Tertúlia Literária e das leituras pandêmicas……Lembro que na primeira vez, guardei, sim, as reflexões sobre o mistério do tempo, mas parece-me recordar um subtítulo que, …

Axel Munthe: “O livro de S. Michele”.

Pablo González Blasco Livros 2 Comments

Axel Munthe: “O livro de S. Michele”. Ed Globo. Rio de Janeiro . 1947.(La Historia de San Michelle , Ed Juventud Barcelona , 1935. 28 ed. 1990. 461 págs..) Leituras na Pandemia – 3 Após muito anos, agora espicaçado pelos pensadores da Tertúlia Literária, voltei a ler a obra de Axel Munthe. Também é verdade que no intervalo destas décadas -estava …

Jonas Jonasson. O Ancião que Saiu Pela Janela e Desapareceu.

Pablo González Blasco Livros 2 Comments

Jonas Jonasson. O Ancião que Saiu Pela Janela e Desapareceu Ed Record. Rio de Janeiro, 2013. 358 págs. Leituras na Pandemia – 2 Parece que foi o avô do autor, o jornalista sueco Jonas Jonasson, quem inspirou este livro singular. Dele fala no prefácio: “Ninguém conseguia prender a atenção de uma plateia como o vovô, parcialmente apoiado em sua bengala, …

Albert Camus: “A Peste”.

Pablo González Blasco Livros 4 Comments

Albert Camus: “A Peste”. Record. Rio de Janeiro. 1947. 211 pgs. Leituras na Pandemia- 1 No grupo de Pensadores da Tertúlia Literária tínhamos escolhido a obra de Camus no mês de Fevereiro, quando a pandemia ficava muito longe, ainda na Ásia, e não suspeitávamos o que nos vinha em cima. A peste descrita no romance, ficava também distante, no norte …

Anton Tchekov “As Três Irmãs”

Pablo González Blasco Livros 1 Comment

Anton Tchekov “As Três Irmãs” https://oficinadeteatro.com/conteudotextos-pecas-etc/pecas-de-teatro/viewdownload/5-pecas-diversas/109-as-tres-irmas Um livro, para quem tem enraizado o hábito de ler, leva geralmente até outro. Essa quase compulsão de que falava Borges que, mesmo cego, continuava comprando e rodeando-se de livros, da sua amável presença. Foi assim como cheguei até esta pequena obra de Tchekov, decolando da leitura de um livro de memórias de um autor que ama …