Uma razão para viver: O carinho criativo.

Gabriel Brandão Filmes Leave a Comment

(Breathe) Diretor: Andy Serkis. Andrew Garfield, Claire Foy, Ed Speleers, Miranda Raison, Hugh Bonneville, Dean-Charles Chapman, Roger Ashton-Griffiths, James Wilby, Camilla Rutherford. UK. 2017. 117 min. Pode ser um preconceito, talvez experiência, ou muitas horas de voo; mas confesso que é algo do qual dificilmente consigo prescindir: bastam os primeiros dez minutos de um filme para saber se vale a …

Thornton Wilder: “A Ponte de S. Luís Rei”

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Thornton Wilder: “A Ponte de S. Luís Rei”. Companhia Editora Nacional. 2002. São Paulo. 95 pgs. (tradução de Monteiro Lobato). A tertúlia literária mensal leva-nos hoje até uma das obras mais conhecidas do escritor americano, que lhe valeu o Prêmio Pullitzer de ficção. Uma obra curta, com uma tradução magistral por conta do nosso Monteiro Lobato que, certamente, faz toda …

José Lasaga Medina & Antonio López Vega: "Ortega y Marañón ante la crisis del liberalismo"

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

José Lasaga Medina & Antonio López Vega: “Ortega y Marañón ante la crisis del liberalismo”. Ediciones Cinca. Madrid. 2017. 250 pgs.  Uma viagem com rápida passagem por Madrid, e uma cerveja com um velho amigo, rendem-me este novo livro da sua autoria. As figuras de Ortega y Gasset y de Gregorio Marañon, que me são tão caras e de quem muito …

Frantz: Uma experiência estética de amor e perdão

Gabriel Brandão Filmes Leave a Comment

Frantz. Diretor: François Ozon. Paula Beer, Pierre Niney, Ernst Stötzner, Marie Gruber, Cyrielle Clair, Johann von Bülow, Anton von Lucke. 113 minutos. Alemanha- França.2016. Bastam as primeiras cenas para entender que estamos diante de um grande filme. Dificilmente me engano -e penso que isso acontece com todos os que amam o cinema: o diagnóstico da qualidade é questão de minutos. É possível que …

Graeme Simsion: "O Projeto Rosie"

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Graeme Simsion: “O Projeto Rosie”. Record. Rio de Janeiro, 2013. 319 pgs. O livro estava entre as minhas pendências. Compõem-se estas de anotações a modo de lista, de comentários que vamos lendo aqui e acolá, em jornais e críticas de literatura especializada. Lembro até de ter recebido um e-mail circular de um colega médico americano elogiando o livro. A tertúlia …

Dominique Lapierre: "Muito além do amor"

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Dominique Lapierre: “Muito além do amor”. Salamandra. São Paulo. 1991. 376 pgs. A tertúlia literária mensal brinda-me oportunidades sonhadas, e quase nunca realizadas por falta de tempo: reler os livros que me impactaram anos atrás. E fazê-lo de modo enriquecedor: poder compartilhar a leitura –não na impessoalidade das redes sociais- mas ao vivo, em animada conversa, pipocar de lembranças e …

Fabrice Hadjadj: "La Profundidad de los Sexos. Por uma mística de la carne"

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Fabrice Hadjad: “La Profundidad de los Sexos. Por uma mística de la carne”. Nuevo Início. 2010. Granada. 302 pgs. Um amigo, que também se delicia com os livros deste filósofo desconcertante, emprestou-me este. Desconcertante, porque sua escrita é uma verdadeira gangorra que oscila do Marques de Sade ou Madame Bovary até os Padres da Igreja (S. Clemente de Alexandria, S. Basílio …

Charles Dickens: "Um Conto de Duas Cidades"

Gabriel Brandão Livros Leave a Comment

Charles Dickens: “Um Conto de Duas Cidades”. Nova Cultural. São Paulo. 2002. 510 pgs.      Uma nova tertúlia literária, brinda-me a oportunidade de reler o clássico de Dickens. Lembrava das duas cidades –Londres e Paris- , da revolução francesa, e das mulheres que tricotavam enquanto assistiam aos trabalhos do novo invento, a guilhotina. Como um divertimento, como aquela “lepra da irrealidade …

Nelson Rodrigues: "O Óbvio Ululante"

Gabriel Brandão Livros 1 Comment

Nelson Rodrigues: “O Óbvio Ululante”. Companhia das Letras. São Paulo. 1993. 300 pgs.      Quem, como eu, inclui-se no grupo dos que se atrevem a escrever como amadores, fará bem se, com regularidade, frequenta aqueles que fizeram da escrita seu modus vivendi. É um aprendizado continuo: tornar claras nossas ideias, comunicar-nos, e entender o que nós mesmos pensamos. Ler e reler, …