Trash: A Esperança Vem do Lixo. O Brasil que aprendi a amar.

Gabriel Brandão Filmes 1 Comment

“Trash” (2014). Director: Stephen Daldry.  Martin Sheen, Rooney Mara, Wagner Moura, Selton Mello.  Spain. Duración: 115 minutos. 

Trash - capaA recomendação chegou-me do outro lado do Atlântico. “Muito bom esse filme dos meninos brasileiros que trabalham no lixão”. Sucesso na Europa, não tinha ouvido falar; aqui, no Brasil, nenhuma palavra. Fui checar o nome com que os espanhóis tinham batizado o filme: Ladrones de Esperanza. E seguindo com as pesquisas me deparo com um diretor inglês, que tem no curriculum filmes tão britânicos como Billy Elliot, ou As Horas –as tragédias de Virginia Woolf- e vem nos contar o que acontece no Rio de Janeiro. Atores americanos fazem o contraponto aos nossos Wagner Moura e Selton Mello. Tudo em português, o inglês é uma concessão que se tolera, mas que não encaixa, é como branco no samba. Martin Sheen, incarna de modo convincente um padre de favela, e Rooney Mara, a assistente da ONG focada no social. Fiz-me como uma copia e deixei repousar enquanto pensava que salada seria esta. Esperei, e perguntei. Obtive como resposta: Já ouvi falar, mas não me animo a ver. Você não tem vergonha de que se apresente o Brasil desse modo? Eu pensei: que modo é esse, de que Brasil estamos falando? Quer dizer, não tive outro jeito e me debrucei sobre o filme.

Trash - a esperança vem do lixo - 1Duas horas. Ritmo mantido, suspense, criatividade. Senti uma lufada de ar fresco se desprendendo do lixão no Rio de Janeiro, uma cutucada que me fez incorporar-me na poltrona, um pontapé no pessimismo que paira no ambiente. Lembrei do título em espanhol, os ladrões da esperança, que não a roubam mas a comunicam e distribuem. Como um Robin Hood dos morros cariocas, onde o lixão se projeta como Sherwood, Martin Sheen é uma variante de Frei Tuck, e até temos uma Lady Marian, na simpática ativista da ONG. O filme deixou-me um maravilhoso sabor de boca. Produção que retrata uma realidade dura, mas positiva, aberto à esperança desses ladrões exemplares. Gostei, muito. Vi de novo, recomendei, e decidi rascunhar estas linhas para fazer a minha parte, para contribuir na distribuição da esperança.

Trash - a esperança vem do lixo - 2

Tem lixo, montanhas dele. E no meio, virtude, gentileza, generosidade. Tem compromisso e integridade. Afinal, por que meter-se nessa enrascada, fantasiados de Robin Hood, enfrentando a ditadura da corrupção –o João sem Terra que surrupia os direitos dos cidadãos- com perigo da própria vida? Por que? Porque é a coisa certa! O que se deve fazer. O que aprendemos na família, na solidariedade da favela miserável, mas que transborda riqueza de alma, magnanimidade. E saber que Deus cuida de nós. E discernir, com sabedoria salomônica, os caminhos que devemos trilhar para ser pessoas de bem.

Trash - a esperança vem do lixo - 3

A corrupção, o envolvimento do poder constituído, o verdadeiro lixo que fede e envolve a política e a força pública –aquela secreta maçonaria das paixões de que falava Eça de Queiroz- não é, nem será nunca, maior do que o caráter desses ladrões da esperança. Porque eles são o nosso Brasil, a alegria, o bom humor, o engenho que desarticula a maldade, a generosidade que instintivamente cuida do próximo. São os que carecendo de quase tudo sabem dividir a sua indigência com o próximo, com jovialidade, sem dar-se importância. Não os pobres desenhados nos tratados de sociologia nem a bandeira de sindicalistas e ONGs que vivem às custas dos pobres, sem fazer nada por eles. Mas a realidade deste nosso Brasil

continental, que samba, sorri, reza e que –como diz a música- sabe que a vida tem de ser melhor, e será, mas que desfruta na resposta das crianças, porque é bonita, é bonita. Viver, e não ter medo de ser feliz. Vale escutar Gonzaguinha, enquanto alinhavo estes pensamentos, com a bandeira verde amarela e a cidade maravilhosa de fundo.

Apalpa-se pessimismo nestes tempos que nos toca viver. Não o pessimismo dos que contamos os anos por décadas, mas da juventude. Dói ver os jovens desanimados com o país; e dói porque, pior do que a lama em que estamos mergulhados, é o engano que vá tomando conta deles, fazendo-lhes pensar que sempre foi assim, que o país não tem jeito, que a devassidão tomou conta da atmosfera que respiramos. Lembrei de Tropa de Elite, um espasmo revoltado contra a corrupção, e da repercussão que teve. E lembrei, com pesar, da sequência, do Tropa de Elite 2, que me deprimiu profundamente. “Por trás do dedo do bandido que aperta o gatilho, sempre está a mão do político que conduz esse dedo”. Quer dizer, não tem jeito, sem espaço para a esperança.

Trash - a esperança vem do lixo - 4Não é verdade: o Brasil profundo é muito maior do que as indecências e libertinagens. O filme, a esperança vem do lixo, é um canto a esse Brasil que amamos, que nos conquista. E o faz de modo simples, sem floreios nem falsos idealismos. E nos lembra que é o caráter de cada um –e não as instituições- o que é capaz de fazer toda a diferença. Um caráter que se esculpe sobre esses traços que nosso povo tem de fábrica: afabilidade, carinho com os semelhantes, generosidade alegre, bom humor, capacidade criadora.

Sim, uma rajada de esperança. Tem de ser um inglês quem vem nos lembrar estas coisas que o pessimismo reinante nos faz esquecer. Saí do filme melhor do que entrei. Comovido, pensativo, saboreando lembranças. Uma magnífica sensação que me fez rebobinar, em lento flashback, quatro décadas. E reencontrei este Brasil que aprendi a amar quando aqui cheguei há 40 anos. Um Brasil que é muito maior que bandalheiras e corrupções. Essa é a história, pletórica de esperança, que a juventude merece escutar. Esse é a Carta Magna que temos de exigir dos joãozinhos sem terra que crescem ao amparo da mediocridade. Essa é a esperança, cristalizada em direito cidadão, que o Brasil e o seu povo merecem.

Comments 1

  1. Caro amigo,

    Seus escritos​, como sempre, são um convite irrecusável à reflexão. Neste caso, sobre um assunto conhecido e constantemente ruminado por nós através dos jornais e noticiosos em geral, com maior ou menor dose de sensacionalismo.

    Foi isso que me afastou desse filme na época. Confesso que seu texto me estimulou a ve-lo com outros olhos, diferentes daqueles que o prejulgaram como mais um “filme brasileiro que retrata a miséria”. Vou conferir.

    Adicionalmente, fica a minha alegria de confirmar seu amor por este país, principalmente nos tempos de hoje, onde brasileiros nativos estão saindo em massa, fugindo dos nossos problemas. Um grande abraço, Osnir

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *