Immaculée Ilibagiza; “Sobrevivi para contar”

Pablo González Blasco Livros 4 Comments

Immaculée Ilibagiza; “Sobrevivi para contar”. Ed. Objetiva. Rio de Janeiro. 2006. 340 pgs. “Se não podemos mudar uma situação, mudar a nós mesmos se torna o desafio”. Esse pensamento de Viktor Frankl encontra-se estampado na primeira página deste livro singular. Confesso que me ajudou logo de cara: estava num avião, no assento do meio –não consegui marcar o lugar com …

Boris Pasternak: “O Doutor Jivago”

Staff Livros Leave a Comment

Boris Pasternak: “O Doutor Jivago”. Ed. Itatiaia Ltda. Belo Horizonte. 1984. 461 pgs.  Uma viagem a Rússia por conta de um Congresso, e a recente leitura do livro de Todorov onde se fala amplamente de Pasternak, contribuíram para bater o martelo e optar por este livro para a nossa tertúlia literária mensal. Embora eu tinha, lá com os meus botões -aquele senado …

Milan Kundera: “A Identidade”

Staff Livros Leave a Comment

Milan Kundera: “A Identidade”. Companhia das Letras. São Paulo. 2009. 115 pgs.  Alguém já afirmou, a julgar pelos comentários que coloco neste espaço, que somente leio livros bons. É verdade que procuro assessorar-me antes de adquirir um livro, e de investir tempo na sua leitura. Mas o sucesso nem sempre garantido. Este é um dos casos. Embora raramente presto atenção …

Henry Marsh: “Sem Causar Mal”

Staff Livros Leave a Comment

Henry Marsh: “ Sem Causar Mal”. (Histórias de vida, morte e neurocirurgia). nVersos. São Paulo, 2016. 287 pgs. É uma convicção que me acompanha faz tempo, e que tenho comprovado diversas vezes: quando um cirurgião envereda pelos caminhos da educação médica, é objetivo, tem impacto, entra para consertar. E costuma dar-se bem. Este livro não é propriamente um tratado de …

Daniel Silva: O Caso Caravaggio

Staff Livros Leave a Comment

Daniel Silva: O Caso Caravaggio. Harper Collins Brasil. Rio de Janeiro. 2016. 350 pgs. Daniel Silva, a pesar do que o nome possa sugerir, é um escritor americano, filho de pais Açorianos, com impacto no mercado editorial pelos seus livros policiais e de espiões. Aqui o protagonista é Gabriel Allon, uma das suas personagens preferidas. Allon é um restaurador de …

Honore de Balzac: “Eugenia Grandet”

Staff Livros Leave a Comment

Honore de Balzac: “Eugenia Grandet”. Abril Cultural. São Paulo, 1971.  230 pgs. A tertúlia literária mensal oferece a possibilidade de poder reler os clássicos, desfrutar com eles, continuar aprendendo. Desta vez o convocado foi Balzac, o que significa um mergulho vital nas paixões humanas. Todas, descritas com minúcia, encontram-se em Balzac –dizia-me certa vez um amigo. E assim é, independentemente …

Donna Tartt: “O Pintassilgo”

Staff Livros Leave a Comment

Donna Tartt: “O Pintassilgo”. Companhia das Letras. São Paulo. 2014. 722 pgs.   Comprei o livro – e até o recomendei antes de lê-lo – pois deparei-me com duas críticas, de fontes confiáveis, que o elogiavam. Um Premio Pulitzer –que às vezes não quer dizer muita coisa, outras sim- e mais de 700 páginas na minha frente Um garoto de …

Harper Lee: “O Sol é para Todos”

Staff Livros Leave a Comment

Harper Lee: “O Sol é para Todos”. José Olympio Ed. Rio de Janeiro, (1988). 363 pgs. Mais uma vez, as tertúlias literárias mensais brindam uma oportunidade ímpar. Não apenas para reler o clássico de Harper Lee, mas sobretudo para comentar, compartir, escutar e mergulhar nas reflexões que a boa literatura desperta.  Tudo pautado por uma primorosa tradução, até o ponto …

Juan Antonio Vallejo-Nágera: “Perfiles Humanos”

Staff Livros Leave a Comment

Juan Antonio Vallejo-Nágera: “Perfiles Humanos”. Planeta. Barcelona. 1992. 196 pgs. Como o autor deixa claro no prefácio, esta obra não tem pretensões biográficas. São páginas que se leem com gosto, em cômodas prestações, como pinceladas vitais, que misturam o anedótico com momentos de relevo, de meia dúzia de  personagens históricos. Uma espécie de divertimento, a modo de variações Mozartianas, por …

Lopez Lomong: “Correr para vivir”

Staff Livros 3 Comments

Lopez Lomong: “Correr para vivir”. Astor, Palabra. Madrid. 2014. 300 pgs.      Quando me recomendaram este livro (que li em espanhol, não há versão portuguesa, mas a linguagem é fácil de entender) o primeiro que me perguntei é o por que do nome do protagonista que é também quem escreve.. López não me parecia um nome adequado para um sudanês. Vim …